quinta-feira, 31 de março de 2011

15 de Abril - Dia Mundial do Desenhista



A data escolhida remete ao nascimento do mestre italiano Leonardo da Vinci
(em 1452), que usava o desenho como instrumento para compreender a realidade.”

A proposta do PORTAL DO ILUSTRADOR é movimentar esta data que representa um importante reconhecimento do nosso trabalho. Independente da área de atuação, traço ou estilo, queremos que o desenhista faça sua parte mostrando que este país tem muito mais profissionais, amadores e iniciantes nessa área do que se imagina.

A Proposta

Faça um encontro dos desenhistas da sua cidade no dia 15 de abril de 2011 (sexta-feira). Pode ser em um bar, restaurante, praça, casa de um amigo ou qualquer outro lugar, o importante é reunir os desenhistas (lembre-se que mais de uma pessoa já faz uma grande festa) e comemorar a data. Tirem fotos e enviem para o Portal do Ilustrador, criaremos um tópico especialmente sobre o Dia Mundial do Desenhista para divulgar todas as manifestações.

Faça também um vídeo, pode ser caseiro, queremos ouvir o que os desenhistas têm a dizer sobre a profissão. Na filmagem, responda as perguntas e declare-se:

- O que é ser desenhista para você? O que você mais aprecia na profissão?

Todos os vídeos serão postados no Portal do Ilustrador e, após o recebimento de todo o material, editaremos e faremos um “mini documentário”, que será divulgado na internet e ganhará o mundo!!!

Um grande abraço e parabéns para todos nós.

Begê Ilustrador e Diane Mazzoni
Equipe do Portal do Ilustrador
www.portaldoilustrador.com

contato@portaldoilustrador.com


terça-feira, 29 de março de 2011

Foi-se o Zé...


Pois é... foi-se o Zé Alencar. Depois de pelo menos 13 anos de luta contra o câncer, desistiu. E eu, cá no meu jeitão, resolvi olhar a biografia dele.Divido com você.

O Zé nasceu em 1931, em Muriaé (MG). Aos 17, depois de ajudar o pai na loja e trabalhar como balconista de uma loja de tecidos desde os 15, Zé se mudou para Caratinga, para trabalhar na Casa Bomfim. Um ano depois iniciou seu primeiro negócio, auxiliado pelo irmão. Três anos depois vendeu a loja e abriu um negócio de cereais por atacado. Em 1959 seu irmão faleceu e o Zé assumiu seu lugar na empresa União dos Cometas. Acabou por fundar, em 1963, a Companhia Industrial União dos Cometas (Wembley Roupas S.A.). Em 67 fundou a Coteminas, que em 75 inaugurava uma das mais modernas fábricas de tecidos até então vistas no Brás.


Foi presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais e vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria. Candidatou-se às eleições para o governo de Minas Gerais em 1994 e perdeu. Em 98, elegeu-se-o (bonito, né? Só não sei se está certo) para o Senado Federal. No Senado, foi presidente da Comissão Permanente de Serviço de Infra-Estrutura, membro da Comissão Permanente de Assuntos Econômicos e também da Comissão Permanente de Assuntos Sociais.

Subiu a vice-presidente na aliança com Lula, onde esteve até as últimas eleições. Começou como uma voz dissonante no governo, coisa polêmica para um vice, e no decorrer do tempo se foi integrando, não sei se por ter ganho confiança ou por estar com a saúde fragilizada pelo câncer, que o afligia há uns bons 13 anos, já. Em 2004 acumulou com a vice-presidência o cargo de ministro da Defesa, função que exerceu até março de 2006. Foi considerado pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.

Isso retirei da Wikipedia, mesmo, e confirmei em outros sites de notícia que deram ou comentaram. Nada demais. E são essas as informações que rolaram nacionalmente, em sua maioria, pouco diferindo no conteúdo, o mais diferente que achei foi num blog jornalístico que o criticava pela atitude no caso recente de paternidade. Mas isso não foi o que ficou ali, arranhando o inconsciente. O caso foi o câncer, mesmo.

O Zé sofria de câncer pelo menos desde 1997, quando fez sua primeira operação. Isso significa que, conhecedor do fato, concorreu ao Senado e à vice-presidência. Claro, obviamente não contava com a morte e nem estou dizendo que devesse. Mesmo assim é um homem com uma doença mais do que potencialmente fatal (em especial nos últimos anos, quando a natureza agressiva do câncer era mais evidente) concorrendo ao segundo maior cargo do país.

Soa familiar? Pois pra mim, soou. Afinal, a presidente Dilma Roussef também passou por tratamento de retirada de um linfoma em estágio inicial, quando ainda era ministra-chefe da Casa Civil, em abril de 2009. Todo mundo sabia que Dilma era a escolha para a sucessão de Lula, e isso foi meio que um susto geral. A notícia foi "amenizada" com o prognóstico médico, que diz que na média dos pacientes com esse tipo de câncer, a doença volta em apenas "de 6 a 20%" dos casos.

Às vezes a coisa toda não está no que está escrito, mas sim em como se lê o que está escrito. No caso, Dilma Roussef, medicamente, tem uma chance entre 6 e 20% de ter problemas graves de saúde em seu mandato como presidente. No caso do Zé Alencar essa chance era provavelmente bem mais alta. Não sei ao certo, não vi. Mas devia ser.

E aí vem aquela dúvida: isso não devia estar anunciado em letras vermelhas e berrantes antes do nome deles, na cédula? Tipo... por lei? Eu votei na Dilma, e sabia do caso, mas... não devia? Não tem um tipo de exame que as pessoas façam antes de concorrerem, pra serem aprovados para o pleito, ou mesmo um exame antes de serem empossados? Tem alguma boa razão para não se ter prestado mais atenção nisso?

Por mim, não acho que pessoas gravemente doentes devesse concorrer a altos cargos públicos e que a adequação dos candidatos ao cargo deve ser julgada por exames médicos severos. Afinal, não é assim para os funcionários? Os candidatos que fossem julgados incapazes de concorrer deveriam esperar até às próximas eleições, paciência. Quatro anos não vão matar ninguém. A menos que eles estejam gravemente doentes, caso em que, se quatro anos os matarem, pelo menos não vão deixar vagos cargos de alto escalão, passando-os para substitutos. Aliás, o mesmo deveria valer para candidatos mortalmente feridos. E mais não digo, porque começo a bobear.

domingo, 27 de março de 2011

O QUE VEM POR AÍ


 *******

RESENHA METALLICA - COMBINANDO MELODIA COM AGRESSIVIDADE
por Fernando Schittini

Existem álbuns que permanecem atuais, mesmo com o passar dos anos, pois são donos de uma sonoridade autêntica e inovadora, e independente dos modismos musicais que a mídia nos impõe, esses clássicos sempre serão lembrados e respeitados. Esse é o caso de “Master of Puppets”.
Lançado em 1986, Master é o terceiro álbum de estúdio do Metallica, banda que hoje é mundialmente conhecida, mas na época ainda estava galgando um lugar na cena metal composta por muitas bandas de Hair/Glam Metal, com um som mais comercial, sendo que suas músicas e videoclipes eram exibidos de forma exaustiva nas rádios e TVs. Enfim, para uma banda de Thrash Metal a vida era bem mais complicada. Mesmo assim, possuíam um grande numero de fãs da cena underground, devido a seus trabalhos anteriores, os excelentes (Kill ‘Em All e Ride the Lightning).

A banda era composta por James Hetfield (vocal/guitarra), Lars Ulrich (bateria), Kirk Hammett (guitarra solo) e Cliff Burton (baixo). Esse último, morto num trágico acidente de ônibus quando o Metallica iria se apresentar na Dinamarca, meses depois de terem lançado o álbum em questão. Uma grande perda não só para a banda, mas para o mundo do Metal em si, que sempre se lembrará de Burton pelo seu talento e genialidade...

*******
A resenha continua na edição 21 do Farrazine disponível em breve para download e visualização online.

quinta-feira, 24 de março de 2011

REVISTA MONOTIPIA




Boas notícias!

Saiu faz uns dias a edição número 3 da revista MONOTIPIA, um projeto super bacanudo que a cada edição está melhor.
As temática da publicação é a difusão, produção e crítica das artes em geral (E dos quadrinhos em particular).

Leia a edição clicando aqui

Você também pode visitar o projeto dessa galera nos links abaixo:

monotipia@gmail.com

Twitter

segunda-feira, 21 de março de 2011

HISTÓRIAS DE TERRIR - by InvinoVeritas


Esse ebook foi publicado originalmente no dia 14 de setembro de 2007.

Ele reúne nosso editor-chefe Kio, o Léo Vidal (Invinoveritas) e nosso desenhista Marcelo Mainardi.
A qualidade visual do ebook é impressionante e tenho certeza que todos vão estar de acordo que os contos são ainda mais incrivéis.
Baixe o ebook no link abaixo e conheça um pouquinho mais do universo criado por nossos amigos!

sexta-feira, 18 de março de 2011

CARTUNISTA SANGUE BOM!


Muitos quadrinhos e rock'n'roll na veia!

Esse é o perfil do cartunista mais premiado do Brasil, Marcio Baraldi, que começou sua carreira nos longínquos anos 80 e segue até hoje repletos de cartuns e publicações.


Além de ter criado o Roko-Loko, que é uma autêntica autoridade
do Rock no mundo dos Cartoons e tem até jogo para PC e celular, Baraldi tem mais de 6 livros publicados, alguns com ilustres prefácios de Ziraldo e até do ex-presidente Lula.

Além disso, o cara ganhou pela 11ª vez consecutiva o prêmio Angelo Agostini como melhor cartunista do Brasil. Um bonito reconhecimento ao trabalho de um artista polivalente e incansável.

Você pode acessar o divertido universo do nosso camarada clicando abaixo:

Site do Marcio
Twitter du Carvalhoooooo
Blog do Márcio Baraldi

segunda-feira, 14 de março de 2011

TURN TO FALL



Foram 4 anos. 

Com 30 capítulos distribuídos em várias páginas.

Colaborações de diferentes desenhistas ao largo desse tempo.

Muito lápis, experimentos e emoções.

Essa é a história de um inquieto Amish feita pela Jussara Nunes dos Quadrinhos Gonzo (e habitual colaboradora do Farrazine).

Baixe essa HQ no link abaixo:








sexta-feira, 11 de março de 2011

FARRAZINE #10 - Propaganda


Antigo anúncio feito por Snuckbinks para divulgar a edição. Você pode baixá-la clicando aqui

terça-feira, 8 de março de 2011

Contos do Farrazine

Camila

Camila. Deitada na cama, rodeada de bugigangas: bichinhos de pelúcia, celular, revistas, esmaltes. Esfameada de carinhos e de pertences. Camila, menina-moça, dezessete anos na experiência e vinte e tantos no corpo.Sonhadora. Juízo de passarinho. Bobinha, bobinha.
Camila quer sapatos. Quer roupas. Quer uma noite na cidade. Camila quer viver.
Quer seu sonho de princesa, quer a lua bonita, quer que façam por ela o impossível e que a amem para todo o sempre, amém. Agora se revira sobre os lençóis, pensando em um certo par de olhos verdes, que normalmente vêm em um certo carro esporte. Os olhos verdes são só sorrisos na direção de Camila. São gentis e engraçados. Mas também são cheios de anseios que a carne tenra – mas intocada – de Camila não quer responder. Os olhos verdes vêm acompanhados de mil mãos que a menina mal consegue manter distantes. Se o pai soubesse...
Aqui ela ri. O que o pai faria, se soubesse? Mas o pai não sabe. Segredo guardado no peito e com as melhores amigas, apenas, o par de olhos verdes está seguro. Por enquanto.
Noite passada, no calor do meio do verão, Camila e o par de olhos verdes no banco traseiro do carro, os corpos suados lutando, invisíveis no lugar ermo. Um lutava pra se aproximar, outro pra se manter distante.

- Deixa.
- Não.
- Só um pouquinho.
- Não, já disse.

Nova investida, que a virtude de Camila suporta sem ceder, mas por um fio. Depois, ofegantes, os olhos verdes se amuam. Precisa de meia hora pra voltarem à disposição normal. E aí voltam ao ataque:

- Deixa.
- Não.
- Só um pouquinho.

O embate continua, sem sucesso dos olhos verdes. É a proverbial força irresistível que se choca contra o objeto irremovível. Até que o encontro acaba. Camila chega em casa de carona. Dá adeus aos olhos verdes. Antes de se separarem por aquela noite, ouve a proposta, acompanhada de um sorriso:
- Se deixar eu te compro aquele par de sapatos caros de que cê me falou.
Camila ficou de pensar. Lá no íntimo, já tomou a decisão. E se ri. Todas as mulheres são princesas. Mas Camila já não é mais menina.

Conto publicado no Farrazine #13 que você pode ver online mesmo aqui ou baixá-lo aqui

sábado, 5 de março de 2011

FARRAZINE ENTREVISTA; JUAN DIAZ CANALES

O criador do BLACKSAD esteve nas páginas virtuais do Farrazine na edição #9
Confere aí embaixo como foi!


FARRAZINE - Oi Juan, muito obrigado por dar a honra da sua presença em nossa revista. Bom, nós gostariamos de saber, quais foram os autores que te inspirarán a escrever e desenhar? (Seja de livros ou quadrinhos)

JUAN - Muito obrigado a vocês pelo interesse no meu trabalho. Estas listas são obrigatoriamente parciais, porque é muito dificil levar em conta a todos os autores que marcaram você. No fim das contas sempre se esquece de alguns, coisa que dá muita raiva. De qualquer maneira, eu poderia citar alguns de referencia como Hugo Pratt, Goscinny, Will Eisner, todos esses nos quadrinhos e Joseph Conrad, Raymond Chandler ou Dashiel Hammet nos livros.

FARRAZINE - E como é o seu processo de criação de estórias ou desenhos?

JUAN - Nem sempre eu sigo o mesmo método, porque você tem que se adaptar as diferentes pessoas com quem trabalha. Ainda assim, meu método de trabalho costuma seguir esses passos: Começo de uma idéia básica onde vai se desenvolver a estória (Por exemplo, a vingança, o ódio, um amor impossível...) A partir de aí, recolho idéias sobre os personagens, situações e lugares que eu gostaria de incluir no relato. Uma vez que decido quais personagens vão sair, escreve breves resenhas biográficas de cada um, tendo em conta que relação que existe entre eles e os sucessos que os relaciona com a estória que quero contar. Finalmente passo a estruturar a estória de uma maneira sequenciada como no cinema, e por último escrevo os diálogos.

FARRAZINE - Conta pra gente Juan... Sobre BlackSad, como foi a idéia de juntar animais com o clima noir de detetives do anos 40/50, que tão bem e perfeito ficou na Graphic Novel?

JUAN - A idéia inicial era utilizar o potencial dos códigos das fábulas aplicados a uma estória de gênero negro. Ou seja, aproveitar a grande quantidade de informação que nos fornece os clichês tradicionais das estórias de animais. Cada animal representa por si mesmo umas
qualidades que não precisa-se descrever, nós reconhecemos diretamenta ao ver sua imagem (A astúcia da Raposa, a agilidade do gato, etc...) 
O sucesso dessa fórmula é responsabilidade, em grande parte, do excepcional trabalho do meu compradre Juanjo Guarnido, que foi capaz de sair vitorioso do enorme desafio que era mesclar, com tanta maestría, o lado realista da novela negra com o gênero antropomórfico.

FARRAZINE - E como foi trabalhar com Juanjo Guarnido? Vendo BlackSad, dá a impressão que vocês fazem uma dupla perfeita, como Lennon e Mcartney na música...

JUAN - Pois um prazer e auténtico luxo! Tanto a nível humano, como artístico. Sempre tivemos muita química e acho que, afortunadamente, isso se percebe no acabamento final. Nos conhecemos trabalhando em um estudo de animação e acho que isso nos beneficiou enormemente ao assumir uma dinámica de trabalho em equipe, onde prima mais a obra que qualquer outro tipo de interesse pessoal. O intercambio de idéias e opiniões era continuo e acho que ambos crescemos artisticamente graças a nossa colaboração com a série. Em qualquer caso, espero que não terminemos como Lennon e Mcartney...

Juanjo Guarnido e Juan Diaz Canales

FARRAZINE -  Nós esperamos o mesmo e temos certeza que não... pelo bem da cultura! Em "Arctic-Naction" se fala do racismo, que é um tema bem complexo. Como foi a inspiração para escrever de maneira tão soberba as aventuras de John BlackSad?

JUAN - Desgraçadamente a inspiração mais direta para um assunto como o racismo, é a crua realidade. Apesar de estar ambientada nos anos
50, o problema da desigualdade está presente em demasiados lugares do nosso planeta hoje. Nem sequer acho que está completamente solucionado nos EUA...

Continue a ler a entrevista aqui ou baixe a edição aqui

quinta-feira, 3 de março de 2011

TIRINHAS!!!

ZULDA - a heroína boazulda


UNITED COLORS OF FARRATOWN - The lifestyle




quarta-feira, 2 de março de 2011

ILUSTRAR!


É a revista mais fodona de ilustração do Brasil. Se você não conhece, não tem mesmo idéia do que está perdendo.

Todo dia 1 dos meses ímpares ele está disponível para download no site homônimo.

Isso quer dizer que ela já estava online ontem!

Clique aqui e baixe sua edição.

terça-feira, 1 de março de 2011

I Fórum de quadrinhos de NATAL - Rio Grande do Norte




Nosso camarada Beto Potyguara, do ABAS,  nos informa sobre o primeiro encontro político de desenhistas de Natal.

Dentro do organização do evento estão previsto os assuntos em pauta:

* divulgação, distribuição, direitos autorais, editais, concursos e muito mais!

Local: Auditório do IFRN da Cidade Alta.

Palestrantes: Milena Azevedo, Brum, Lula Borges, Luiz Élson e Leo Feitoza.

E o mais legal é que é aberto ao público! Todos podem participar!

Sendo assim, quem puder, compareça e contribua para o fortalecimento do movimento quadrinista potiguar e brasileiro!

Ocorreu um erro neste gadget

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | coupon codes